Abordagem Clínica da Informação (Tema I): Informação, Imaginário e Inconsciente – GEDII

Abordagem Clínica da Informação (Tema I): Informação, Imaginário e Inconsciente

Oferta 2017/1

Professor: Claudio Paixão Anastácio de Paula

Objetivo da disciplina: Instrumentalizar os alunos do PPGCI, especialmente os oriundos dos cursos de biblioteconomia, arquivologia e museologia bem como de áreas afins, no manejo dos conceitos psicológicos essenciais ao estudo da influência do inconsciente no imaginário e nos fenômenos info-comunicacionais

Ementa: Origens do conceito de inconsciente. A função mitopoética da psique. Os complexos ídeo-afetivos e sua relação com o imaginário. Inconsciente, símbolo e imaginário. Manifestações empíricas do inconsciente. Inconsciente, imaginário e Práticas Informacionais. Rastreando os efeitos de associações inconscientes nos fenômenos info-comunicacionais

Carga horária: 60 horas/aula

Referências:

Albright, KS (2010). Multidisciplinarity in information behaviour: expanding boundaries or fragmentation of the field? Libri, 60(2), 98-106. Retrieved may 20, 2017, from https://www.degruyter.com/view/j/libr.2010.60.issue-2/libr.2010.009/libr.2010.009.xml. 
Albright, KS (2010). Psychodynamic perspectives in information behaviour. Information Research, 16(1) paper 457. Retrieved may 20, 2017, from http://InformationR.net/ir/16-1/paper457.html. 
Antunes MLA (2015). Comportamento informacional em tempos de Google. Dissertation. Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Ciência da Informação, 206f. Retrieved may 20, 2017, from http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/handle/1843/BUBD-A8SJ7E. 
Araújo EPO (2013). Tomada de decisão organizacional e subjetividade: análise das dimensões simbólico-afetivas no uso da informação em processos decisórios. Dissertation – Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2013. 164f.
Araújo, C.A.A. (2011). Ciência da Informação, Biblioteconomia, Arquivologia e Museologia: relações institucionais e teóricas.  Enc. Bibli: R. Eletr. Bibliotecon. Ci. Inf.  16 (31),110-130.  Recuperado em 15  janeiro, 2017, de https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/viewFile/1518-2924.2011v16n31p110/17765. 
Borko, H. (1968). Information science. What is it? American Documentation, 19(1), 3-5.
Du Toit D, Veldsman, TH, Van  Zyl D (2011). The Testing and Validation of a Model for Leadership Maturity Based on Jung’s Concept of Individuation. Retrieved may 20, 2017, from https://www.researchgate.net/publication/268416650_The_Testing_and_Validation_of_a_Model_for_Leadership_Maturity_Based_on_Jung’s_Concept_of_Individuation. 
Durand G (1997). As estruturas antropológicas do imaginário. São Paulo: Martins Fontes.
Durand Y (1988). L’exploration de l’imaginaire: introduction à la modelisation des univers mythiques. Paris: L’Espace bleu.
Holland, G.A. (2008). Information Science: na interdisciplinar effort? Journal of Documentation, 64(1), 7-23.
Japiassu, H. (1976). Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro: Imago.
Kimbles, S.  (2000). The Cultural Complex and the Myth of Invisibility. In Singer, T.(Ed). The vision thing: myth, politics and psyche in the world. London: Routledge.
Klein, J.T. (1990). Interdisciplinarity. Wayne State University Press: Detroit, MI.
Krech, D.; Crutchfield, R.S. & Ballachey, E.L. (1975). O Indivíduo na sociedade: um manual de psicologia social. São Paulo: Pioneira.
Liu, J; Albright, K; Zamir, H (2016). The Role of the Unconscious in Information Retrieval: What User Perception Tells Us. Proceedings of the 2016 ACM on conference on human information interaction and retrieval, pp.289-292, Mar. Retrieved may 20, 2017, from http://dl.acm.org/citation.cfm?id=2854986. 
MEIER, CA. (1984). The unconscious in its empirical forms: with special reference to the association experiment of C.G. Jung. Boston: Sigo Press.
Malvezzi, S. (1996). Prefácio. In Ziemer, R. Mitos organizacionais. São Paulo: Atlas.
Moran, J. (2002). Interdisciplinarity. London: Routledge.
Paula Carvalho, J. C. (1990).  Antropologia das organizações e educação: um ensaio holonômico. Rio de Janeiro: Imago.
Paula CPA (1999). Informação e psicodinâmica organizacional: um estudo teórico. Master’s thesis. Escola de Ciência da Informação. Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte.
Paula CPA (2005). O símbolo como mediador da comunicação nas organizações: uma abordagem junguiana das relações entre a dimensão afetiva e a produção de sentido nas comunicações entre professores do departamento de Psicologia de uma instituição de ensino superior brasileira. PhD dissertation. Departamento de Psicologia Social e do Trabalho. São Paulo: Instituto de Psicologia. 367p.
Paula CPA (2011). Dimensões simbólicas e afetivas do uso da informação: uma análise das comunicações entre professores do departamento de psicologia de uma instituição de ensino superior pública brasileira. In: XII ENANCIB, 2011, BRASILIA. Anais do XII ENANCIB. Brasília: UNB Brasília, v. 1. pp. 01-20.
Paula CPA (2012a). Dimensões simbólicas e afetivas do uso da informação: uma análise das comunicações entre professores do departamento de psicologia de uma instituição de ensino superior pública brasileira. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, João Pessoa, v. 2, Número Especial, pp. 118-132, out.
Paula CPA (2012b).  Proposta de metodologia para a investigação do comportamento de busca informacional e do processo de tomada de decisão dos líderes nas organizações: introduzindo uma abordagem clínica na informação. Anais do XIII ENANCIB. Rio de Janeiro.
Paula CPA (2013). A investigação do comportamento de busca informacional e do processo de tomada de decisão dos líderes nas organizações: introduzindo a abordagem clínica da informação como proposta metodológica. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, João Pessoa, v. 3, Número Especial, pp. 30-44, out.
Pedrosa, C.G. (2017). A dimensão subjetiva da gestão de bibliotecas universitárias. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.
Penna EMD (2009). Processamento simbólico arquetípico: uma proposta de método de pesquisa em psicologia analítica. PhD dissertation in Clinical Psychology. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 229p.
Pombo, O. (2006). Práticas interdisciplinares. Sociologias, (15), 208-249.
Pombo, O. (2008). Epistemologia da interdisciplinaridade. Ideação, 10(1).
Rogers, Y., Scaife, M. & Rizzo, A. (2003). Interdisciplinarity: an emergente or engineered process? CSRP Technical Report, 556. University of Sussex: Brighton.
Sá RMC (2015). Compartilhamento do conhecimento e o processo de orientação de discentes de pós-graduação stricto sensu. Dissertation – Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Ciência da Informação. Belo Horizonte. 159f.
Samuels A, Shorter B, Plaut A (1988). Dicionário crítico de análise junguiana. Rio de Janeiro: Imago. 119p. [A Critical Dictionary of Jungian Analysis (1986), Psychology Press].
Serbena CA (2010). Considerações sobre o inconsciente: mito, símbolo e arquétipo na Psicologia Analítica. Revista da Abordagem Gestáltica, Gestalt-terapia de Goiânia (ITGT), XVI(1): pp.76-82, jan-jul.
Silva, A. M. (2017). A Ciência da Informação abre-se ao Imaginário, aos “Arquétipos”, ao Inconsciente… Recuperado em 02 março, 2017, de http://gedii.eci.ufmg.br/wp-content/uploads/2017/03/Apresenta%C3%A7%C3%A3o-AMalheiro.pdf. 
Singer T, Kimbles SL (2004). The Cultural Complex: contemporary Jungian perspectives on psyche and society. New York: Brunner –Routledge. 279p. ISBN-13 583-919-1239
Tassara ETO, Rabinovich EP (2001). A invenção do urbano e o poético: uma cartografia afetiva – Estudo sobre o bairro paulistano da Barra Funda. In: Tassara, E. T. O. (Org). Panoramas interdisciplinares para uma psicologia ambiental do urbano. pp.211-267. São Paulo: Educ; Fapesp.
Vieira AG (2003).  Imagem, símbolo e narrativa na psicologia analítica de C.G. Jung. PhD dissertation. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto de Psicologia. Porto Alegre, Fevereiro. 245 f